COMUNICADO – ALTERAÇÃO RESOLUÇÃO CMN N° 3.922/2010

Prezados Clientes,

Informamos que foi publicado no dia 23 de outubro de 2017 a Resolução CMN nº 4.604 que altera a Resolução CMN nº 3.922/2010, que dispõe sobre as aplicações dos recursos dos Regimes Próprios de Previdência Social – RPPS.

O processo de mudança foi iniciado a alguns meses, com modificações em seu conteúdo desde então.

Neste comunicado, faremos uma análise técnica sobre as mudanças, possibilitando assim uma visão geral dos pontos, levando cada um à sua própria interpretação.

Em muitos comunicados já disponibilizados, foram destacados que as alterações vieram para aperfeiçoar as normas e adequações da gestão dos ativos dos RPPSs à melhores práticas de investimentos, com transparência e segurança nas aplicações dos correspondentes recursos.

Era evidente para todo o mercado a necessidade de revisão e alteração da Resolução, para evoluir e seguir uma linha comparativa com as alterações de comportamento versus cenário das Resoluções das Entidades Fechadas de Previdência Complementar em conjunto com alguns estudos de composição e otimização de portfolios.

Os limites impostos pela Resolução devem funcionar como meio para otimizar a relação risco e retorno, de modo a não gerar ineficiências de alocação e inibição na diversificação mais adequada às características e perfil das obrigações passivas do plano de benefícios.

Analisando o histórico de alterações das Resoluções, desde o começo da normatização, é possível notar claramente uma ampliação progressiva das alternativas de investimentos e uma forte preocupação com a proteção de tais recursos contra investimentos que não são adequados pelo seu perfil de risco.

As arrecadações e o patrimônio do RPPS deve ser suficiente para o custeio das despesas futuras com seu plano de benefício. Todos sabemos que os RPPSs precisam alcançar suas metas atuariais e para tal necessitam de acesso a produtos financeiros de maior estruturação e, consequente, maior retorno

Em meio à discussão do processo de diversificação dos investimentos em função da expectativa de queda da taxa de juros da economia, a necessidade permanente de desenvolvimento do mercado de capitais e a busca de novas oportunidades de investimentos que possam representar rentabilidade de longo prazo, já era apontado pelo mercado que todo esse processo poderia ser retardado em caso de alteração nos limites quantitativos existentes na legislação vigente.

Com as alterações feitas, a preocupação do mercado se mantém. Em nossa visão, ficou uma falsa sensação de aumento de possibilidades o que na realidade, tornou-se mais restritiva.

As principais mudanças trazidas pela nova Resolução abrangem:

  1. Os fundos 100% títulos públicos enquadrados no Art. 7º Inciso I alínea “b” não trazem mais a obrigatoriedade de terem como benchmark os indicadores ANBIMA (IMA / IDKA / IRF-M);
  2. As operações compromissadas em títulos públicos enquadradas no Art. 7º inciso II passaram a ter o limite de 5%, antes era de 15%;
  3. Os fundos do Artigo 7º Inciso III, passaram a ter limite de até 60%, antes era 80%, e não trazem mais a obrigatoriedade de terem como benchmark os indicadores ANBIMA (IMA / IDKA / IRF-M);
  4. Os fundos do Artigo 7º IV, passam a ter limite de até 40%, antes era de 30%
  5. Foi aberta a possibilidade de aplicação em CDB, até 15%, limitado ao montante garantido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) que atualmente é de R$ 250.000,00;
  6. A possibilidade de aplicação em poupança teve seu limite reduzido de 20% para 15%;
  7. Não existe mais distinção de limite para FIDC aberto ou fechado, passando o limite total somados a 5%. Houve a inclusão de exigência de uma série de regras restritivas dentro da estrutura do produto, entre as de maior impacto são:
    a.    A exigência de que seja comprovado que o gestor do fundo de investimento já realizou, pelo menos, dez ofertas públicas de cotas seniores de fundo de investimento em direitos creditórios encerradas e integralmente liquidada;
    b.    A limitação que o as cotas seniores sejam adquiridas no máximo em 50% por RPPS.
  8. Aberta a possibilidade de aplicação em cotas de fundo de investimento em Fundos que adquiram ao menos 85% de debentures emitidas por sociedade de propósito específico, constituída sob a forma de sociedade por ações, dos certificados de recebíveis imobiliários e de cotas de emissão de fundo de investimento em direitos creditórios, constituídos sob a forma de condomínio fechado, relacionados à captação de recursos com vistas em implementar projetos de investimento na área de infraestrutura, ou de produção econômica intensiva em pesquisa, desenvolvimento e inovação;
  9. A exposição em FIDC’s, fundos de crédito privado e fundos de debentures (definido acima) deverão somar ao máximo 5% da carteira do RPPS;
  10. O Art. 8º, inciso I, alínea “a”, passa a enquadrar todos os Fundos que possuam algum benchmark divulgado por bolsa de valor no Brasil, em até 30%, sem fazer distinção entre Fundos indexados e Fundos livres;
  11. O Art. 8º, inciso II, alínea “a”, passa a enquadrar Fundos de ações, sem definição da origem do benchmark, podendo ser benchmark de bolsas internacionais, no limite máximo de 20%. Passa a ser permitido aplicações em ativos financeiros no exterior;
  12. A alínea “b” dos incisos I e II do Art. 8º, enquadram fundos de índice (ETF) cujas as carteiras sigam o definido na alínea “a” dos respectivos incisos;
  13. Os fundos multimercados, agora enquadrados no Art. 8°, inciso III (antes inciso IV), tiveram o limite máximo alterado de 5% para 10%;
  14. Os investimentos em FIP e em FII, passam a ter o limite máximo somados em até 5%, anteriormente podiase investir no máximo 5% em cada tipo de ativo
  15. Mantida a possibilidade de fundos de investimento imobiliário (FII) porém exigindo agora que tenha presença em 60% (sessenta por cento) nos pregões de negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários no período de doze meses anteriormente à aplicação.
  16. Passa-se a ser permitido ao RPPS integralizar imóveis vinculados a sua pessoa jurídica em Fundos de Investimentos Imobiliário que façam negociação de suas cotas no mercado secundário. A esse investimento não se faz limite máximo de participação do patrimônio, nem exigência de participação mínima nos últimos pregões. Fica vedado o investimento direto em imóveis;
  17. Passa-se a exigir maiores regras na estrutura dos Fundos de Participações (FIP). Entre elas destacamos:
    a.    O gestor do fundo, ou gestoras ligadas ao seu respectivo grupo econômico, mantenham a condição de cotista do fundo em percentual equivalente a, no mínimo, 5% (cinco por cento) do capital subscrito do fundo, sendo vedada cláusula que estabeleça preferência, privilégio ou tratamento diferenciado de qualquer natureza em relação aos demais cotistas;
    b.    Seja comprovado que o gestor do fundo já realizou, nos últimos dez anos, desinvestimento integral de, pelo menos, três sociedades investidas no Brasil por meio de fundo de investimento em participações ou fundo mútuo de investimento em empresas emergentes geridos pelo gestor e que referido desinvestimento tenha resultado em recebimento, pelo fundo, da totalidade do capital integralizado pelo fundo nas referidas sociedades investidas, devidamente atualizado pelo índice de referência e taxa de retorno previstos no regulamento;
  18. Alteração do Artigo 14º que trata sobre o total das aplicações dos recursos do regime próprio de previdência social em um mesmo fundo de investimento, antes limite de 25%, agora deverá representar, no máximo, 15% sendo que esse limite muda para 5% para FIDC, Multimercado, FIP e FII.
  19. O total das aplicações de um RPPS não pode representar mais de 5% do volume total de recursos de terceiros gerido por um único gestor.

PONTOS POSITIVOS

  1. A alteração traz algumas novas opções de investimentos, como CDB e Fundos de Debentures, mesmo que a representação máxima dessas novas oportunidades seja ínfima;
  2. Passa a ser permitido que o RPPS integralize seus imóveis em Fundos de investimento, a esses investimentos não se faz as restrições abusivas que outros investimentos em FII terão;
  3. Passa a ser permitido que o RPPS invista em Fundos de Ações que não sigam benchmarks da Bolsa nacional, e que façam investimentos em ativos no exterior.

PONTOS NEGATIVOS

  1. A nova resolução traz limites máximos de investimentos bem mais restritivos quando comparado com a 3.922/10, tivemos uma involução nesse quesito;
    a.    Fundos com risco ligado a crédito (FIDC / Fundo de Crédito Privado) podiam somar até 15% do patrimônio líquido do RPPS, agora não podem ultrapassar 5% em sua soma;
    b.    Fundos Imobiliários e Fundos de Participações podiam somar 10% do patrimônio do RPPS, este valor foi reduzido a 5%;
  2. Para investimentos em FIDC’s e em FIP’s são feitos uma série de exigências deixando impraticável a abertura e manutenção de Fundos com essas características e que sejam enquadrados para RPPS. Essas exigências não são aumento da governança, como defendido pelos órgãos responsáveis por essas mudanças, e sim uma criação de uma barreira a entrada gigante, aumentando as imperfeições deste mercado e logicamente diminuindo a sua eficiência;
  3. Diminuição da exposição máxima de um RPPS a 15% do patrimônio de um Fundo, e quando se trata de Fundos estruturados (FIDC/ FII/ FIP) esse limite cai para 5%, outra gigante barreira a entrada;
  4. Exigência de que investimentos em CDB seja limitado ao montante garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Vale ressaltar que este limite é de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais), valor irrisório para quase que a totalidade dos RPPS;
  5. Limitação de que todos os ativos de renda fixa que não sejam títulos públicos, sejam emitidos apenas por instituições financeiras e/ou companhias abertas;

Podemos destacar que a Nova Resolução traz uma ideia ilusória de aumento de diversificação, muito embora o novo texto permita novos produtos, nunca antes permitidos, as exigências que se faz para que o FIDC e o FIP sejam enquadrados, somado a enorme barreira a entrada de novos gestores que foi determinado por esta nova resolução faz com que concluamos que os investimentos dos RPPS caminharão naturalmente à concentração. Continuamos com uma resolução que concentra o risco assumido pelo RPPS, onde ele será praticamente só risco de mercado. Produtos que assumem outros riscos (Crédito / Liquidez) sofrem mais exigências, e agora compartilham de menos exposição máxima do patrimônio do RPPS.

Vale ressaltar que barreira a entrada é uma das maiores imperfeições de mercado que podemos ter, quando criamos barreira e limitamos a entrada de novos concorrentes, os produtos caminham naturalmente para uma queda de qualidade. Em outras palavras, a nova Resolução irá concentrar os investimentos dos RPPS em produtos com risco de mercado e que sejam geridos por grandes instituições, que atualmente já se mostram ineficazes neste sentido.

Concluímos que a nova Resolução anda na contramão do mercado de capitais, onde cada vez mais busca-se a diversificação e a assunção de novos riscos, e anda também na contramão das previsões econômicas, onde a crescente queda de juros deixa o mercado de título público cada vez menos interessante, fazendo com que os investidores busquem rentabilidades em produtos que tragam o ganho da economia real, como produtos de crédito ou investimentos em empresas de uma forma geral. O cumprimento de metas atuarias fica extremamente prejudicada com essas novas condições.

Aqui constam linhas gerais ainda, sobre uma análise preliminar, porém a mudança é maior. Nossa equipe encontra-se reunida, analisando todos os pontos alterados de forma minuciosa, pois alguns enquadramentos de fundos também devem mudar, levando modificação em nosso sistema, relatórios e podendo causar desenquadramentos nas carteiras dos RPPS. Cabe destacar que seguindo o Artigo 21º da Resolução os regimes próprios de previdência social que, em decorrência da entrada em vigor desta Resolução, passem a apresentar aplicações em desacordo com o estabelecido, poderão mantê-las em carteira por até 180 dias.

Vamos avaliar a extensão dos impactos nos fundos presentes nas carteiras com a maior brevidade possível.

Considerando que estamos às vésperas do prazo final para o envio da Política de Investimentos de 2018, a Secretaria prorrogou o prazo de envio para 31 de dezembro de 2017.

Existe previsão de alteração da Política caso tenha mudança de Resolução, sendo assim não terá problemas para aqueles que já enviaram. O conceito de cenário, das necessidades e desafios para o próximo exercício, as metodologias de gerenciamento de risco, enfim, a estrutura da política como um todo não sofre impacto, apenas serão necessários ajustes nos limites.

Em breve será emitido novo comunicado com maiores informações.

Por fim, reforçamos nosso compromisso com a satisfação de nossos clientes e lembramos que nossos consultores e corpo técnico estão à disposição para quaisquer esclarecimentos que julgar necessário.

Equipe Plena Consultoria de Investimentos

Anúncios

Nossa Visão – 16/10/2017

Retrospectiva

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, a produção industrial cresceu 1,4% em agosto, frente ao mês anterior, quando a expectativa era de um avanço de 0,6%. Na base anual a alta da produção foi de 3,8%.

Nos EUA, a inflação do consumidor foi de 1,7% na base anual, em setembro, assim como havia sido no mês anterior. Já as vendas no varejo cresceram 1,6% nesse mês, frente agosto, ligeiramente abaixo do consenso.

Nos mercados de ações internacionais a semana foi novamente de altas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 0,28%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, avançou 0,17%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana 0,15% e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 2,24%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-Fipe, que havia subido 0,02% em setembro, acelerou na primeira quadrissemana de outubro para alta de 0,10%. Já o IPC-S, que havia subido 0,14% na abertura de setembro, acelerou para alta de 0,28% na segunda medição do mês. E o IGP-M avançou 0,34% na primeira prévia de outubro, contra 0,34% no mesmo período do mês anterior.

Já as vendas no varejo recuaram 0,5% em agosto, na comparação com o mês anterior e subiram 3,6% sobre o ano anterior.

Para a bolsa brasileira, foi uma semana de alta, com o Ibovespa subindo 1,23% e acumulando alta de 27,83% no ano e de 24,65% em doze meses. O dólar, por sua vez caiu 0,24%, aumentando a variação negativa para 3,13% no ano. O IMA-B Total, por sua vez recuou 0,01% na semana, acumulando alta de 13,52% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 3,00% em 2017, frente a expectativa de 2,98% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,02%, como na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, como na pesquisa anterior e para o final de 2018 também em 7%, como na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,72%, frente a 0,70% na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,50%, comparado a 2,43% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,15, no fim de 2017, frente a R$ 3,17 na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,30, também como no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, da inflação do consumidor em setembro.

Nos EUA, teremos a divulgação, além do Livro Bege, da produção industrial em setembro e na China teremos a divulgação do PIB do terceiro trimestre, além da inflação do consumidor em setembro.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, além do IBC-Br de agosto.

No exterior, o dado mais importante é o da divulgação do PIB chinês e no Brasil, teremos a divulgação do IPCA-15, que pode vir um pouco maior por conta de pressões nos preços dos alimentos.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, nos meses recentes, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, passamos a recomendar a exposição máxima de 30%, por conta da crescente melhoria das expectativas com a atividade econômica no próximo ano, que deverá refletir em um melhor comportamento dos lucros das empresas e, portanto, da Bolsa de Valores. Assim, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), a alta na parcela de renda variável para 30%, considera que a alocação em ações passou de 10% para 15%, diminuindo-se para 30% as alocações em renda fixa de curto prazo.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 16/10/2017

Índices de Referência – Setembro / 2017

Nossa Visão – 09/10/2017

Retrospectiva

No lado político, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o deputado Rodrigo Pacheco declarou que a votação da denúncia contra o presidente Temer, na comissão, deve acontecer apenas na próxima semana.

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, as empresas cresceram mais rapidamente em setembro, conforme revelou o PMI industrial. Já as vendas no varejo recuaram 0,5% em agosto, quando a expectativa era de um avanço de 0,30%.

Quando à taxa de desemprego na região, ficou mantida em 9,1% em agosto, quando se esperava que ela descesse para 9%.

Nos EUA, em agosto, os pedidos industriais subiram 1,2% em relação a julho, sobretudo no setor de transporte. Por sua vez, a atividade industrial avançou em setembro, marcando o centésimo mês consecutivo que o índice fica acima de 50 pontos, a fronteira entre o crescimento e a contração da atividade.

Por outro lado, pela primeira vez em sete anos, o número de vagas de emprego não rural se contraiu, devido aos furacões. Foram perdidos 33 mil postos de trabalho. No entanto a taxa de desemprego recuou de 4,4% para 4,2%, a taxa mais baixa desde fevereiro de 2001.

Nos mercados de ações internacionais a semana foi novamente de altas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 0,99%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, avançou 2,04%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana 1,19%, depois de estabelecer nova pontuação recorde e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 1,64%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-Fipe, que havia subido 0,10% em agosto, encerrou setembro, com alta de 0,02%. Já o IPCA, que havia subido 0,19% em agosto, avançou 0,16% em setembro, um pouco acima do que o mercado esperava. No ano o índice acumulou elevação de 1,78% e de 2,54% em doze meses. Os grandes responsáveis pela baixa inflação foram os preços dos alimentos.

Por seu turno, a produção industrial brasileira surpreendeu em agosto, ao apresentar queda de 0,8% em comparação com julho. Em um ano a alta foi de 4%.

Para a bolsa brasileira, foi uma semana de recorde, com o Ibovespa subindo 2,37% e atingindo os 78 mil pontos pela primeira vez na história. Assim, acumulou alta de 26,28% no ano e de 24,46% em doze meses. Lembramos que estamos desde o início do ano sugerindo o investimento em ações. O dólar, por sua vez caiu 0,10%, aumentando a variação negativa para 2,89% no ano. O IMA-B Total, por sua vez avançou 0,34% na semana, acumulando alta de 13,54% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 2,98% em 2017, frente a expectativa de 2,95% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,02%, frente a 4,06% na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, como na pesquisa anterior e para o final de 2018 também em 7%, como na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,70%, como na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,43%, comparado a 2,38% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,16, no fim de 2017, como na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,30, também como no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, da produção industrial em setembro.

Nos EUA, teremos a divulgação das vendas no varejo e da inflação do consumidor em setembro, além da divulgação da ata da última reunião do FED no mês que passou.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, além das vendas no varejo em agosto.

No exterior, as atenções estarão voltadas para a ata da reunião do FED e no Brasil, teremos a divulgação das vendas no varejo, em uma semana cortada por feriado.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, nos meses recentes, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, passamos a recomendar a exposição máxima de 30%, por conta da crescente melhoria das expectativas com a atividade econômica no próximo ano, que deverá refletir em um melhor comportamento dos lucros das empresas e, portanto, da Bolsa de Valores. Assim, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), a alta na parcela de renda variável para 30%, considera que a alocação em ações passou de 10% para 15%, diminuindo-se para 30% as alocações em renda fixa de curto prazo.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 09/10/2017

Índices de Referência – Setembro / 2017

Nossa Visão – 02/10/2017

Retrospectiva

No lado político, as coisas continuaram complicadas. Enquanto a maioria dos ministros da primeira turma do STF decidiu afastar novamente o senador Aécio Neves de seu mandato, os deputados aprovaram, por margem muito estreita, a garantia de foro privilegiado ao ministro Moreira Franco, do PMDB, ao reconhecer o status de ministério do posto quer ocupa. Cresceram as dificuldades do governo, para aprovações no Congresso Nacional, no momento em que as denúncias contra o presidente Temer aguardam votação.

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, a inflação do consumidor ficou novamente em 1,5% na base anual, em setembro. Por sua vez, a confiança econômica na região atingiu o maior nível em dez anos, segundo estudo mensal publicado pela Comissão Europeia.

Nos EUA, a terceira e última revisão do PIB do segundo trimestre revelou que o avanço da atividade econômica foi de 3,1%, frente a 3% da última revisão. Por outro lado, a confiança dos consumidores caiu levemente em setembro, como esperavam os analistas.

Em uma semana marcada por pronunciamentos de membros do FED, a sua presidente, Janet Yellen afirmou que altas graduais das taxas de juros deverão continuar, apesar da inflação ainda fraca.

Nos mercados de ações internacionais a semana foi novamente de altas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 1,88%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, avançou 0,75%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana 0,68% e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 0,29%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-S, que havia caído 0,07% na terceira quadrissemana de setembro, encerrou o mês com queda de 0,02%, depois de haver registrado alta de 0,13% em agosto. Contrariamente o IGP-M, a inflação do aluguel, depois de haver subido 0,10% em agosto, acelerou a alta para 0,47% em setembro, por conta principalmente do avanço dos preços dos combustíveis e lubrificantes.

Também foi divulgada pelo IBGE, a taxa de desemprego no trimestre findo em agosto, que recuou para 12,6%, depois de ter registrado 13,3% no final do trimestre encerrado em maio. A taxa anunciada representou 13,1 milhões de pessoas desempregadas.

Do lado fiscal foi anunciado que o déficit primário do setor público consolidado foi de R$ 9,5 bilhões em agosto, abaixo das estimativas dos analistas, enquanto no setor externo, o déficit em transações correntes foi de R$ 302 milhões também em agosto.

Para a bolsa brasileira, foi uma semana de baixa, com o Ibovespa caindo 1,45%, mas acumulando alta de 23,36% no ano e de 27,29% em doze meses. O dólar, por sua vez subiu 1,26%, reduzindo a variação negativa para 2,80% no ano. O IMA-B Total, por sua vez avançou 0,11% na semana, acumulando alta de 13,16% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 2,95% em 2017, frente a expectativa de 2,97% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,06%, frente a 4,08% na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, como na pesquisa anterior e para o final de 2018 também em 7%, como na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,70%, frente a 0,68% na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,38%, comparado a 2,30% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,16, no fim de 2017, como na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,30, também como no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, das vendas no varejo e da taxa de desemprego em agosto e do PMI industrial em setembro.

Nos EUA, teremos a divulgação do PMI industrial, da taxa de desemprego em setembro e das encomendas à indústria em agosto.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, o IPCA de setembro e a produção industrial em agosto.

No exterior, as atenções estarão voltadas para a criação de novas vagas de trabalho e a taxa de desemprego nos EUA e no Brasil, teremos a divulgação do IPCA de setembro como o principal evento.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, em julho, agosto e setembro, no ano e em doze meses, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30% e para as aplicações no IRF-M 1, com alocação sugerida de 5%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, passamos a recomendar a exposição máxima de 30%, por conta da crescente melhoria das expectativas com a atividade econômica no próximo ano, que deverá refletir em um melhor comportamento dos lucros das empresas e, portanto, da Bolsa de Valores. Assim, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), a alta na parcela de renda variável para 30%, considera que a alocação em ações passou de 10% para 15%, diminuindo-se para 30% as alocações em renda fixa de curto prazo.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 02/10/2017

Índices de Referência – Agosto / 2017

Nossa Visão – 25/09/2017

Retrospectiva

E o Supremo Tribunal Federal, por 10 votos a 1, decidiu enviar para a Câmara dos Deputados, a denúncia feita pela procuradoria geral da República contra o presidente Temer, por organização criminosa e obstrução de Justiça. Provavelmente nesta terça-feira, a denúncia será lida no plenário da Câmara, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido até que seja efetivamente votada. Assim, o andamento da reforma da Previdência ficou significativamente comprometido.

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, a inflação do consumidor ficou efetivamente em 1,5% na base anual, em agosto. Por outro lado, os PMIs indicaram em setembro que as empresas privadas da região encerraram o terceiro trimestre do ano com um crescimento muito mais forte que o esperado.

Nos EUA, o FED manteve inalterada a sua taxa de juros entre 1% e 1,25% aa e anunciou que vai iniciar em outubro a normalização de seu balanço patrimonial de US$ 4,2 trilhões, encerrando assim os estímulos aplicados desde a crise de 2008.

Nos mercados de ações internacionais a semana foi de altas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 0,59%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, avançou 1,26%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana 0,08% e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 1,94%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-S, que havia caído 0,01% na segunda quadrissemana de setembro, caiu 0,07% na terceira. Já o IPCA-15, prévia da inflação oficial, desacelerou mais que o esperado em setembro e teve alta de 0,11%, após avanço de 0,35% em agosto. O grupo alimentação e bebidas tiveram grande responsabilidade no número final, ao apresentarem queda de 0,94%.

Na semana que passou, o Banco Central divulgou o Relatório Trimestral de Inflação, em que reduziu as estimativas para a inflação de 2017 para uma alta de 3,2% e a de 2018 para uma alta de 4,3%. A de 2019 foi estimada em 4,2%, abaixo da meta de 4,25% e a de 2020 em 4,1%.

Para a bolsa brasileira, foi uma semana de realização de lucros, com o Ibovespa caindo 0,48%, mas acumulando alta de 25,18% no ano e de 28,44% em doze meses. O dólar, por sua vez subiu 0,10%, reduzindo a variação negativa para 4,01% no ano. O IMA-B Total, por sua vez avançou 0,66% na semana, acumulando alta de 13,03% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 2,97% em 2017, frente a expectativa de 3,08% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,08%, frente a 4,12% na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, como na pesquisa anterior e para o final de 2018 também em 7%, frente a 7,25% na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,68%, frente a 0,60% na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,30%, comparado a 2,20% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,16, no fim de 2017, frente a R$ 3,20 na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,30, como no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, da confiança e da inflação do consumidor em setembro.

Nos EUA, teremos vários pronunciamentos de membros do FED sobre política monetária, a divulgação da confiança do consumidor em setembro e de nova estimativa do PIB do segundo trimestre.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, a taxa de desemprego e o resultado fiscal e das transações correntes em agosto.

No exterior, as atenções estarão voltadas para os pronunciamentos dos membros do FED, em um momento em que são novamente discutidas a alta dos juros e no Brasil, teremos a divulgação do resultado fiscal de agosto, em um momento novamente complicado para o andamento das reformas.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, em julho, agosto e setembro, no ano e em doze meses, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, passamos a recomendar a exposição máxima de 30%, por conta da crescente melhoria das expectativas com a atividade econômica no próximo ano, que deverá refletir em um melhor comportamento dos lucros das empresas e, portanto, da Bolsa de Valores. Assim, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), a alta na parcela de renda variável para 30%, considera que a alocação em ações passou de 10% para 15%, diminuindo-se para 30% as alocações em renda fixa de curto prazo.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 22/09/2017

Índices de Referência – Agosto / 2017

Nossa Visão – 18/09/2017

Retrospectiva

Na última semana de trabalho do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o STF decidiu acatar seu novo pedido de abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer. Desta feita, a suspeita é de que o presidente pode estar envolvido em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto que mudou regras portuárias. Dessa forma, parece que a votação das reformas fica ainda mais distante.

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, a produção industrial avançou 0,1% em julho, após ceder 0,6% um mês antes. O resultado foi impulsionado principalmente pelos investimentos corporativos e pelos bens de consumo duráveis.

Nos EUA, foi divulgado que a inflação do consumidor em agosto foi de 0,4%, maior do que a prevista pelos analistas. Na base anual, a inflação ficou em 1,9%, próxima da meta do FED.

Por sua vez, as vendas no varejo recuaram surpreendentemente em agosto, principalmente devido a uma queda nas vendas dos automóveis. Também a confiança do consumidor recuou em setembro, mais do que se previa.

Nos mercados de ações internacionais a semana teve mais altas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 1,75%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, caiu 2,20%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana avançou 1,58% e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 3,29%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-S, que havia subido 0,10% na primeira quadrissemana de setembro, caiu 0,01% na segunda. Por sua vez, o IGP-M, a inflação do aluguel, que subiu 0,34% na primeira prévia de setembro, teve a alta elevada para 0,41% na segunda, ainda por conta de preços maiores no atacado.

Quanto à atividade econômica, o IBC-Br, prévia do PIB, registrou alta de 0,41% em julho, frente a junho e de 1,48% em doze meses. Já as vendas no varejo ficaram estáveis em julho, na comparação com o mês anterior e cresceu 3,1% em um ano.

Por outro lado, na ata da última reunião do Copom, em que a taxa Selic foi reduzida de 9,25% para 8,25% aa, o Banco Central chegou a discutir os benefícios de um fim tempestivo do ciclo de afrouxamento monetário, mas julgou mais benéfico o encerramento gradual diante do cenário atual.

Para a bolsa brasileira, foi outra semana de alta, com o Ibovespa atingindo o seu recorde histórico. O índice subiu 3,66%, acumulando alta de 25,78% no ano e de 32,72% em doze meses. O dólar, por sua vez subiu 1,12%, reduzindo a variação negativa para 4,10% no ano. O IMA-B Total, por sua vez caiu 0,26% na semana, acumulando alta de 12,29% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 3,08% em 2017, frente a expectativa de 3,14% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,12%, frente a 4,15% na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, como na pesquisa anterior e para o final de 2018 também em 7%, frente a 7,25% na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,60%, como na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,20%, comparado a 2,10% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,20, no fim de 2017, como na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,30, frente a R$ 3,35 no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, da inflação do consumidor em agosto e da confiança do consumidor em setembro.

Nos EUA, teremos a reunião do FED sobre política monetária.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, e o Relatório de Inflação do terceiro trimestre.

No exterior, as atenções estarão voltadas para a reunião do FED, que deverá manter a taxa básica de juros entre 1% e 1,25% e no Brasil, teremos a divulgação do IPCA-15 e do Relatório Trimestral de Inflação, já de olho nos próximos passos do Copom.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, em julho, agosto e setembro, no ano e em doze meses, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30% e para as aplicações no IRF-M 1, com alocação sugerida de 5%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, continuamos a recomendar uma exposição de no máximo 25%, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), além das realizadas em ações (10%), que vêm trazendo importante retorno ao longo deste ano.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 18/09/2017

Índices de Referência – Agosto / 2017

Nossa Visão – 11/09/2017

Retrospectiva

Na semana que passou, as confusões derivadas da Operação Lava Jato se acentuaram com a reversão da aceitação da delação premiada dos membros da JBS e a homologação da delação premiada de Lúcio Funaro, tido como operador do PMDB.

Pelo lado do legislativo, o Congresso aprovou a proposta que prevê déficit fiscal de R$ 159 bilhões em 2017 e 2018 e o Senado aprovou, depois da Câmara dos Deputados, o texto-base que cria a Taxa de Longo Prazo – TLP. Além disso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, informou que pautará a votação da reforma da Previdência em outubro, após a apreciação da reforma política.

Em relação à economia internacional, na zona do Euro, o PIB do segundo trimestre evoluiu de forma mais robusta ao avançar 0,6% frente ao primeiro e 2,3% na base ano, já as vendas no varejo em julho cresceram 2,6% na base anual, assim como indicavam as estimativas.

Por seu turno, o Banco Central Europeu – BCE, manteve as taxas de juros inalteradas em 0,25% a de empréstimo marginal e de -0,4% a de depósitos. Comunicou que vai manter até dezembro os estímulos mensais de 60 bilhões de euros e deixou a porta aberta para aumenta-los se necessário.

Nos EUA, foi divulgado o Livro Bege, que indicou uma atividade econômica moderada no país, além da queda de 3,3% dos pedidos industriais em julho.

Nos mercados de ações internacionais a semana teve mais baixas. Enquanto o Dax, índice da bolsa alemã subiu 1,33%, o FTSE-100, da bolsa inglesa, caiu 0,82%, o índice S&P 500, da bolsa norte-americana 0,61% e o Nikkey 225, da bolsa japonesa 2,12%.

Em relação à economia brasileira, dos indicadores parciais de inflação, o IPC-S, que havia subido 0,13% em agosto, reduziu sua alta para 0,10% na primeira quadrissemana de setembro. Por sua vez, o IGP-M, a inflação do aluguel, que registrou alta de 0,10% em agosto, subiu 0,34% na primeira prévia de setembro, por conta de preços maiores no atacado.

Conforme o IBGE, o IPCA de agosto subiu 0,19%, a menor taxa para o mês em sete anos, por conta da alimentação mais barata. No ano a taxa acumulada ficou em 1,62% e em doze meses em 2,46%. O INPC, por sua vez, avançou 0,17% em agosto, acumulando alta de 1,27% no ano e de 1,73% em doze meses.

Quanto à atividade econômica, a produção industrial em julho surpreendeu ao subir 0,8% em relação ao mês anterior e 2,5% comparada a um ano atrás. Foi o quarto mês de alta seguida.

Já o Banco Central, através da reunião do Copom, cortou a taxa Selic pela oitava vez consecutiva, reduzindo-a de 9,25% para 8,25% aa. A decisão foi unânime e no comunicado após a reunião sinalizou que deve reduzir o ritmo de corte na próxima reunião.

Para a bolsa brasileira, foi outra semana de alta, com o Ibovespa atingindo quase o seu recorde histórico. O índice subiu 1,61%, acumulando alta de 21,34% no ano e de 26% em doze meses. O dólar, por sua vez caiu 1,36%, aumentando a variação negativa para 5,16% no ano. O IMA-B Total, por sua vez subiu 1,30% na semana, acumulando alta de 12,58% no ano.

Comentário Focus

No Relatório Focus publicado hoje, a média dos economistas que militam no mercado financeiro estimou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subirá 3,14% em 2017, frente a expectativa de 3,38% na semana anterior. Para 2018 a estimativa é que suba 4,15%, frente a 4,18% na semana anterior.

Para a taxa Selic, o relatório informou que agora, para o fim de 2017, a média das expectativas situou-se em 7%, frente a 7,25% na pesquisa anterior e para o final de 2018 em 7,25%, frente a 7,50% na última pesquisa.

Já para o desempenho da economia previsto para este ano, o mercado estima a evolução do PIB em 0,60%, frente a 0,50% na pesquisa anterior e para 2018 um avanço de 2,10%, comparado a 2% no último relatório.

Para a taxa de câmbio, a pesquisa mostrou que a cotação da moeda americana estará em R$ 3,20, no fim de 2017, como na pesquisa anterior e para o final do próximo ano em R$ 3,35, também como no último relatório.

Para o Investimento Estrangeiro Direto, as expectativas são de um ingresso de US$ 75 bilhões em 2017 e 2018.

Perspectiva

Na agenda internacional desta semana está prevista a divulgação, na zona do euro, da produção industrial em julho e da evolução do emprego no segundo trimestre.

Nos EUA, serão divulgadas a inflação do consumidor, a produção industrial e as vendas no varejo em agosto.

No Brasil, serão divulgados os indicadores parciais de inflação, as vendas no varejo e o IBC-Br em julho.

No exterior, as atenções estarão voltadas para os indicadores de atividade na zona do euro e nos EUA. No Brasil, o mercado financeiro deverá acentuar o debate até onde o BC levará a taxa Selic, já que o fim do ciclo de cortes está se aproximando, com a atividade econômica melhor que o esperado e também no aguardo de novas ações da PRG, no final do mandato de Rodrigo Janot.

Entendemos que, dado o expressivo avanço já ocorrido com os índices que referenciam os fundos de investimentos em títulos públicos, em julho, agosto e setembro, no ano e em doze meses, por conta da queda da inflação e da redução da taxa Selic, o momento é de realização dos lucros obtidos com as aplicações de longuíssimo prazo.

Permanecer com uma exposição no vértice de longuíssimo prazo neste momento de ainda grandes incertezas, pode não representar ganhos expressivos em função do fator risco a ser incorrido. Assim, recomendamos uma exposição de 30% no vértice de longo prazo, representado pelo IMA-B Total.

Para os vértices médios (IMA-B 5, IDkA 2A e IRF-M Total) mantemos a nossa recomendação de uma exposição de 10%. Os recursos saídos do longuíssimo prazo deverão ser migrados para as aplicações em fundos DI, cuja alocação agora sugerida é de 30% e para as aplicações no IRF-M 1, com alocação sugerida de 5%. Lembramos que para evitar o desenquadramento aos limites da Resolução CMN nº 3.922/2010, o percentual máximo de alocação em fundos enquadrados no Artigo 7º, Inciso IV é de 30%. A estratégia ora recomendada mantém a perspectiva de bom retorno ao mesmo tempo em que reduz o risco total da carteira.

Permanece a recomendação de que, com a devida cautela e respeitados os limites das políticas de investimento é oportuna a avaliação de aplicações em produtos que envolvam a exposição ao risco de crédito (FIDC e FI Crédito Privado, por exemplo), em detrimento das alocações em vértices mais longos. A atual escassez de crédito para a produção e o consumo tem gerado prêmios de risco, que possibilitam uma remuneração que supera as metas atuariais.

Quanto à renda variável, continuamos a recomendar uma exposição de no máximo 25%, já incluídas as alocações em fundos multimercado (5%), em fundos de participações – FIP (5%) e em fundos imobiliários FII (5%), além das realizadas em ações (10%), que vêm trazendo importante retorno ao longo deste ano.

Por fim, cabe lembrarmos que as aplicações em renda fixa, por ensejarem o rendimento do capital investido, devem contemplar o curto, o médio e o longo prazo, conforme as possibilidades ou necessidades dos investidores. Já as realizadas em renda variável, que ensejam o ganho de capital, as expectativas de retorno devem ser direcionadas efetivamente para o longo prazo.

Indicadores Diários – 08/09/2017

Índices de Referência – Agosto/2017